A minha protege-te, a tua protege-me

Se formos portadores de uma máscara bem colocada e manuseada, estamos a proteger aqueles que nos rodeiam. E se todos o fizermos sempre que circulamos em público, estamos a proteger-nos uns aos outros.
Tratando-se esta de uma doença em muitos casos assintomática, é fundamental implementar o uso de máscaras de protecção nos espaços públicos.

O Movimento

O movimento #MáscaraParaTodos defende a utilização generalizada de máscaras comunitárias em todo o espaço público para evitar a propagação da COVID-19.
O movimento, apoiado por diversas personalidades da comunidade médica e científica portuguesas, convida toda a população a fazer máscaras caseiras para uso próprio e para disponibilizar aos outros. A minha máscara protege-me. A tua protege-me.

Comissão Científica

Fausto Pinto / Filipe Froes / Miguel Guimarães / Miguel Moura Guedes / Paulo Neves / Ricardo Mexia

Comissão Executiva

Alexandre Valentim-Lourenço / Edson Oliveira / Inês Leal / Manuela Castro / Miguel Bigotte Vieira / Miguel Moura Guedes / Sara Letras

Leia o documento de apresentação do movimento.

Máscaras comunitárias

As máscaras comunitárias ou sociais são coberturas faciais de fabrico artesanal ou industrial, de tecido ou outros materiais.

São usadas como alternativa às máscaras utilizadas pelos profissionais de saúde que, por estarem expostos a um elevado risco de infecção, lhes deve ficar reservada a utilização de equipamento de protecção individual com um perfil de segurança mais apropriado.

Antes da pandemia da COVID-19, o uso de máscaras não fazia parte da realidade do mundo ocidental, mas o reconhecimento do seu potencial enquanto medida de saúde pública adicional levou à sua adopção e utilização generalizada em diferentes países.

A utilidade das máscaras comunitárias assenta num principio de protecção de grupo e numa atitude altruísta, uma vez que a utilização da máscara contribui, maioritariamente, para a protecção do outro e do ambiente envolvente.

Porque são necessárias?

  • Porque as máscaras comunitárias actuam como uma barreira à propagação das gotículas respiratórias que transportam o vírus. No entanto, são mais eficazes em limitar a sua libertação do que na protecção do seu portador à exposição das gotículas produzidas por outros;
  • Porque o distanciamento social recomendado, de 1 a 2 metros, pode ser insuficiente para nos proteger da tosse ou do espirro de um doente infectado, situação na qual as gotículas podem atingir distâncias superiores a 6 metros;
  • Porque circulam na comunidade doentes com poucos ou nenhuns sintomas e cuja infecção não foi identificada;
  • Porque se tem verificado uma evolução mais controlada e favorável da pandemia nos países em que é recomendada a utilização sistemática de máscaras pela população, sendo no entanto inegável que esse progresso dependerá também de outras medidas adoptadas em simultâneo;
  • Porque devido a todos estes motivos, e tendo em consideração o princípio de precaução, resulta a necessidade de generalizar o seu uso a toda a população.

Como fazer a sua própria máscara:

Existem vários métodos eficazes para a produção caseira de máscaras de protecção individual. Aqui destacamos dois – um mais simples, outro mais elaborado. Veja mais abaixo vídeos de outras propostas.

Material

* Os tecidos de 100% algodão são os que asseguram melhores resultados. Evite malhas muito grossas que podem ser menos respiráveis.
É importante a escolha de tecido que possa ser lavado na máquina a 60 graus.

Passos

IMPORTANTE: Coloque sempre um filtro dentro da máscara, entre os dois pedaços de tecido. Por exemplo, dois pedaços de rolo de cozinha cortados à medida (devem ocupar toda a área da máscara). Não se esqueça de, após cada utilização, lavar sempre a máscara com sabão a mais de 60 graus. Evite tocar com as mãos na face exterior da máscara – manuseie a máscara através dos elásticos.

  1. 1. Faça dois moldes com as seguintes medidas:
    - Rectângulo de 25 cm x 15 cm
    - Rectângulo de 19 cm x 15 cm

    1º Passo
  2. 2. Faça uma dobra de 1 cm em cada lateral do rectângulo mais pequeno e cosa.

    2º Passo
  3. 3. Junte as peças, direito com direito, e cosa uma peça à outra costurando em cima e em baixo. De seguida, vire do direito de modo a que as costuras que fez fiquem para dentro.

    3º Passo
  4. 4. Faça duas dobras de 1,5 cm de cada lado. Cosa pela margem das dobras, para que depois coloque o elástico/cordão com facilidade.

    4º Passo
  5. 5. Coloque o elástico com a ajuda de um alfinete de dama. Ajuste o elástico à sua medida, dê um nó e coloque-o para dentro.

    5º Passo
  6. 6º Passo

A sua máscara está pronta.

Descarregar para imprimir

Alternativa (mais complexa)

Descarregar para imprimir

Como aplicar a máscara

Não utilize a máscara abaixo do nariz
Não utilize a máscara abaixo do nariz
Não deixe o queixo descoberto
Não deixe o queixo descoberto
Não baixe a máscara, remova quando não for utilizar
Não baixe a máscara, remova quando não for utilizar
Não deixe a máscara frouxa, permitindo espaços abertos
Não deixe a máscara frouxa, permitindo espaços abertos
Não deixe descoberta a ponta do nariz
Não deixe descoberta a ponta do nariz
Use corretamente a máscara, assegurando-se de cobrir completamente o nariz e o queixo e de ajustar bem as extremidades
Use corretamente a máscara, assegurando-se de cobrir completamente o nariz e o queixo e de ajustar bem as extremidades

Outros exemplos em vídeo

Instagram

Mostra ao mundo a tua máscara caseira. Ensina e aprende como se faz.
Inspira-te com outros exemplos. Vai à nossa pagina de instagram e partilha a tua máscara usando a hashtag
#MáscaraParaTodos

Instagram Máscara Para TodosMáscara Para TodosMáscara Para Todos

Facebook

Segue-nos para acompanhar as informações e actualizações que partilhamos.

Questões frequentes

Questões frequentes COVID-19

O que são a COVID-19 e o SARS-CoV-2?

COVID-19 é a doença causada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2; assim chamado por ser geneticamente semelhante ao vírus responsável pelo surto de pneumonia ocorrido em 2002, então denominado SARS-CoV (SARS - Severe Acute Respiratory Syndrome).

Quais são os sinais e sintomas da COVID-19?

Os Coronavírus são habitualmente benignos e responsáveis por 25% das infecções respiratórias ligeiras. Contudo, este novo vírus, o SARS-CoV-2, tem um efeito mais agressivo e é responsável pela presente pandemia.

Os sinais e sintomas mais comuns da COVID-19 são:

  • Tosse "de novo" ou uma alteração do seu padrão habitual;
  • Febre com temperatura igual ou superior a 38º C;
  • Dificuldade respiratória.

Verificam-se também casos confirmados desta infecção em pessoas assintomáticas ou com sinais ou sintomas menos específicos:

  • Perda total ou parcial do olfato e/ou do paladar;
  • Corrimento nasal;
  • Dor de garganta;
  • Dor de cabeça;
  • Dores musculares;
  • Dores nas articulações;
  • Cansaço;
  • Vómitos;
  • Diarreia.

Como se transmite a COVID-19?

Maioritariamente por duas vias:

  • Por contacto directo, quando se verifica uma entrada de gotículas ou aerossóis pela boca, nariz e olhos, provenientes de uma pessoa infectada que os projecta quando fala, tosse ou espirra;
  • Por contacto indirecto, quando tocamos em superfícies que foram contaminadas pelas gotículas expelidas por pessoas infectadas e em seguida, as levamos à cara, boca, nariz ou olhos.

Quem pode transmitir a doença?

SARS-CoV-2 é produzido e libertado pelos doentes, num padrão semelhante ao do vírus da gripe e que atinge o seu máximo durante o início dos sintomas. Nesse momento, é muito significativo o risco de transmissão da doença, frequentemente por pessoas que apresentam poucos ou nenhuns sintomas. Perante esta doença, contra a qual não dispomos presentemente de um tratamento eficaz, nem tão pouco de uma vacina, a prevenção constitui a nossa principal medida para o seu combate.

Sabemos que cada pessoa infectada transmite o vírus, em média, a outras 2 ou 3 pessoas.

Assim, numa sociedade moderna e urbanizada, se não forem implementadas medidas de contenção eficazes, a propagação desta doença terá um curso exponencial, esgotando rapidamente os recursos de saúde e dificultando ainda mais o tratamento das suas vítimas, bem como dos restantes doentes.

Como se pode prevenir esta doença?

A prevenção é o melhor modo de combater esta pandemia, sendo para tal necessário interromper a cadeia de transmissão do vírus. Com este objectivo, sugerimos a toda a população que:

  • Lave frequentemente as mãos;
  • Cumpra as medidas de etiqueta respiratória;
  • Mantenha o distanciamento físico;
  • Utilize uma máscara comunitária, nas suas deslocações fora de casa.

Questões frequentes Máscaras Comunitárias

Que características deve ter uma máscara comunitária?

  • Ser reutilizável e fabricada num tecido que suporte múltiplos ciclos de lavagem a temperaturas superiores a 60º;
  • Ser preferencialmente manufacturada em tecidos 100% algodão;
  • Garantir a cobertura do nariz, boca e queixo;
  • Estar bem ajustada à face, reduzindo ao máximo as fugas do ar respirado, e ter desejavelmente uma peça metálica que melhore o seu ajustamento ao nariz;
  • Ser constituída por duas camadas de tecido, uma externa mais resistente, uma interna confortável e uma bolsa intermédia que permita adicionar um filtro, com o objectivo de melhorar a sua eficácia;
  • Garantir uma respiração sem esforço;
  • O seu filtro poderá ser constituído por duas folhas de rolo de cozinha, sendo-lhe adicionada uma folha única de lenço de papel, colocada do lado da boca com a intenção de absorver a humidade da respiração. Estas folhas sobrepostas devem ocupar a bolsa em toda a extensão da máscara.

Como se deve colocar uma máscara comunitária?

  • As mãos devem ser lavadas antes da sua colocação;
  • A máscara deve tapar, na sua totalidade, o nariz, boca e queixo;
  • Os elásticos ou atilhos devem ser correctamente ajustados, com o objectivo de limitar as fugas do ar respirado;
  • Atenção: é desaconselhada a colocação de máscara em crianças com idade inferior a 2 anos e em pessoas incapazes de manifestar o seu desconforto ou de a remover autonomamente.

Que cuidados se deve ter na utilização de uma máscara comunitária?

  • Não se deve tocar na máscara, olhos ou face, durante a sua utilização;
  • Ao tossir ou espirrar, mesmo que com a máscara colocada, tal deve ser feito na direcção da prega do cotovelo (etiqueta respiratória);
  • A máscara deve ser substituída a cada 4 a 6 horas e sempre que esteja húmida ou suja;
  • Atenção: a utilização de uma máscara representa um meio adicional de protecção e não substitui, em qualquer circunstância, as restantes medidas de higiene das mãos, etiqueta respiratória e de distanciamento físico.

Como se deve remover uma máscara comunitária?

  • As mãos devem ser lavadas antes da sua remoção;
  • Deve ser retirada pelos elásticos ou atilhos, sem tocar na máscara;
  • Se utilizarmos uma máscara descartável (ex: TNT - tecido não tecido) e como tal, de uso único, esta deve ser removida com o mesmo procedimento já descrito e descartada num contentor de resíduos comuns, imediatamente depois da sua remoção. Nunca deverá ser colocada junto do lixo reciclável;
  • Sempre que se retire uma máscara reutilizável, esta deverá ser guardada num saco de plástico fechado até ser lavada, e não pode ser reutilizada antes disso.

Que cuidados se deve ter na manutenção de uma máscara comunitária?

  • Após a utilização, devem ser desperdiçados os filtros e a máscara deve ser lavada em seguida a temperaturas superiores a 60ºC durante 30 minutos ou a temperaturas superiores a 90ºC durante 10 minutos;
  • Não deve ser utilizada lixívia na sua desinfecção, uma vez que é corrosiva para a máscara, bem como agressiva para as vias aéreas;
  • A máscara apenas deve ser reutilizada após a lavagem, secagem e recolocação dos filtros. Por este motivo, devemos transportar sempre uma máscara e filtros de substituição, dentro de um invólucro impermeável e fechado;
  • A máscara não deve ser colocada próxima de máscaras sujas, nem partilhada, devendo ser armazenada num invólucro seco e fechado.

Documentos

Carta de apresentação do movimento (c/ assinaturas)The BMJ - Face masks for the public during the COVID-19 crisisCEMP - Argumentação e Evidência Científica para o Uso Generalizado de Máscaras pela População PortuguesaDisaster Medicine and Public Health Preparedness - Testing the Efficacy of Homemade Masks: Would They Protect in an Influenza Pandemic?ECDC - Using face masks in the communityJAMA Insights - Presumed Asymptomatic Carrier Transmission of COVID-19JAMA Insights - Turbulent Gas Clouds and Respiratory Pathogen Emissions Potential Implications for Reducing Transmission of COVID-19Nature Medicine - Respiratory virus shedding in exhaled breath and efficacy of face masksThe New England Journal of Medicine - Ten Weeks to Crush the CurveThe New England Journal of Medicine - SARS-CoV-2 Viral Load in Upper Respiratory Specimens of Infected PatientsConsumer Council - Reuse Mask? DIY Mask?The Lancet - Mass masking in the COVID-19 epidemic people need guidanceThe Lancet - Rational use of face masks in the COVID-19 pandemic